Fonte:  Comunidade News 

O documentário “Dreaming in American” fala de aspectos negativos da imigração e do Sonho Americano.

Um diretor americano decidiu mostrar os efeitos que a imigração causa tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. “Dreaming in American”, documentário de Eliot Fisher, expõe os sentimentos dos que optaram por uma vida no Brasil e daqueles que escolheram o Sonho Americano.

A história é alternada entre a pequena Resplendor (MG) e Peabody, em Massachusetts, e fala sobre a vida de cerca de oito famílias que tem parentes em ambas as cidades. As identidades dos brasileiros residentes nos EUA foram preservadas, pois a maioria é de indocumentados. As cidades ganharam os nomes fictícios de Travessia e Eastmouth.

O propósito do filme, segundo Eliot, é mostrar às pessoas o impacto que o American Dream ainda causa nos dois países. Ainda segundo ele, este impacto pode ser muito mais negativo do que positivo, fato que as pessoas não se dão conta quando se separam das famílias. “Pensam que será um ou dois anos, e se tornam cinco, seis, sete anos. Isto está prejudicando a sociedade, a cultura e as famílias desta pequena cidade de Minas, está acontecendo muito rápido”, disse ele.

O que Fisher viu em Minas foram pessoas que mesmo pobres, são felizes, contrastando com americanos que trabalham demais e se preocupam em ganhar dinheiro. Na opinião dele, é difícil dizer se estes mineiros são mais felizes lá ou aqui, onde teriam a chance de ter conforto material e ganhariam por semana a quantia que levariam um mês para ter no Brasil.

“No filme estamos tentando criticar o Sonho Americano, que é materialismo. Muitos no mundo estão tentando perseguir este sonho que criamos na América, que é imaginário e ilusório e não traz felicidade. Nem os americanos deveriam persegui-lo”.

Para um cozinheiro que participou das filmagens, a experiência foi muito interessante, sobretudo por que um americano filmou no Brasil. As imagens da América não surpreenderam a mãe dele. “Mas meus irmãos pensavam que aqui tudo era bonito”, disse o brasileiro, que mora no país há 4 anos e meio. Aqui, casou com a então namorada que morava em Resplendor. O casal tem um filho nascido nos EUA.

A importância do documentário, na opinião dele, é mostrar aos americanos que o brasileiro vem pra cá trabalhar e não levar o dinheiro deles embora. O mineiro disse que é importante também mostrar ao Brasil que é possível comprar um imóvel aqui, o que só acontece com muito trabalho. “De braços cruzados ninguém consegue nada”.

Milla Araújo, ex-professora de inglês em Aimorés (MG) e produtora do filme, viu o impacto negativo da imigração nos próprios alunos, pois os avós perdiam o controle e os pais imigrantes compensavam a ausência com eletrônicos e dinheiro. “Não estou generalizando, mas acontece com frequência”, disse ela.

Perguntas e Mensagens

Os estudantes também questionavam o porquê de estudar inglês, já que poderiam vir para a América, aprender a língua corretamente e de forma mais rápida. “De certa forma, a imigração desestimula muito o estudante de uma cultura de minoria, pois para ele é muito mais fácil conseguir as coisas materiais aqui do que estudando e depois trabalhando no Brasil”.

A mais importante mensagem do documentário, na opinião dela, é a preservação dos valores familiares, especialmente o convívio com os filhos. Ela entende que os pais vem para cá para dar um conforto maior à família e boas oportunidades de estudos aos filhos, mas alerta que a influência da cultura pode modificar a real intenção. “O imigrante passa a ficar mais tempo aqui pela própria moral e não mais pela família”.

O filme deve ser finalizado em agosto de 2010. As esperanças de Eliot, durante as exibições, é de que os americanos consigam enxergar o real motivo porque os imigrantes brasileiros vem para os Estados Unidos, bem como de onde eles vem. Segundo o diretor, belas fotos postadas em sites de relacionamentos não conseguem mostrar a realidade da vida imigrante. “Esperamos mostrar o quadro completo o máximo possível”.

A produção de Dreaming in American conta ainda com o brasileiro Daniel Ferreira (música original), Sara Dosa (produtora, co-diretora e co-editora), Zoë Bird (escritora e consultora musical), Katherine Lee (pintora), Kevin Ang (chefe de animação), Maggie Alter (animadora), Leo Chavez e Tony O’Brien (conselheiros de projeto).

Informações gerais sobre o documentário podem ser obtidas no website oficial http://www.dreaminginamerican.com./

Reproduzido com permissão do Comunidade News.  Leia outros artigos do Comunidade News.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar
wpDiscuz