Programa em Massachusetts Põe Brasileiros na Fila de Deportação

Fonte:  Comunidade News

Defensores dos imigrantes mostram que o Comunidades Seguras não prende somente criminosos

Os sucessivos casos de deportações por violação de trânsito, ocorridos em Massachusetts, mostram que o programa Comunidade Seguras não está prendendo somente imigrantes que cometem crimes. Mais de um brasileiro passou pela mesma situação.

Segundo matéria do The Boston Globe, o caso mais recente é o da brasileira Lizandra de Moura, 18. No mês de maio, ela dirigia em Boston quando foi parada pela polícia. O motivo teria sido não obedecer o sinal de Pare e a velocidade de 40 km/ hora. Presa por violações de trânsito, ela foi posteriormente encaminhada para a prisão de imigração em Burlington.

Recentemente, a brasileira retirou a tornozeleira eletrônica, e está apavorada com a idéia de ser deportada. “Vivi minha vida inteira aqui”, desabafou. O outro caso é de Lindomar da Silva, 36. Há 10 anos nos Estados Unidos, o mineiro de Conselheiro Pena foi preso em abril último porque não deu sinal para entrar no Burger King.

Solto depois de pagar fiança de $5,000, ele também aguarda a deportação. “Há mais casos acontecendo aqui [como o meu]. Mais pessoas na cadeia, como eu, mas não tinham dinheiro para sair”, disse. No mesmo mês, Leonardo Machado foi parado porque a luz de freio estava quebrada. Assim como Lizandra, ele também foi levado para a prisão de imigração em Burlington.

Traumatizado pelas correntes da prisão, Leonardo acabou assinando a deportação voluntária. “Acho que é melhor eu voltar para o Brasil. Não quero mais ficar aqui”, disse.

Os casos, ocorridos nas últimas semanas, ilustram a controvérsia do Comunidades Seguras, programa federal de Boston onde a polícia tira as impressões digitais, a fim de encontrar imigrantes indocumentados. O caso vai de encontro a afirmação de Edward F. Davis, Comissário de Polícia da cidade. Segundo ele, o Comunidades Seguras é somente voltado para crimes graves.

Decepção e pedido de providências Depois de saber dos casos envolvendo os brasileiros, Davis se declarou decepcionado, e disse que pediria à imigração para rever os casos não criminais. “Não quero que as pessoas sintam que tenham que ter medo da polícia, não importando seu status”, disse ele.

Segundo Chuck Jackson, porta-voz da imigração, foram recentemente anunciadas mudanças no Comunidades Seguras, a fim de dar mais foco em criminosos
graves. Esta é realmente a prioridade do programa, que deverá ser implementado em nível nacional até 2013. Mas segundo as autoridades, qualquer pessoa que for presa e que não tiver documentos legais poderá ser deportada.

Jessica Vaughan, diretora de estudos políticos do Centro para Estudos de Imigração, acredita que casos como o de Lizandra sejam exceção. Segundo ela, o Comunidades Seguras teria evitado casos como o estupro de uma mulher em Rhode Island, cometido em 2008 por um imigrante indocumentado da Guatemala. Ou ainda, o assassinato de mãe e filho em Brockton (MA), do qual um equatoriano é acusado.

Mas os defensores dos imigrantes alegam que o programa deixa os imigrantes indocumentados com medo de denunciarem crimes. “Terminem o programa. Não funciona. Tínhamos a idéia de que Boston era amigável para com os imigrantes… Este programa diz o contrário.

Nos sentimos realmente traídos”, disse a diretora executiva do Grupo Mulher Brasileira (GMB), Heloisa Galvão.

Reproduzido com permissão e em parceria com a Comunidade News.

Comunidade News

Comunidade News é um jornal voltado à comunidade brasileira em Massachusetts. Comunidades News tem uma parceria com Brasileiros nos Estados Unidos pela qual temos permissão para reproduzir o conteúdo abaixo.

5
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
LoxJuliano WagnerIrlanRedação do site Brasileiros nos Estados UnidosJosy Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Lox
Visitante
Lox

Tragicamente, ilegalidade para o imigrante brasileiro é uma palavra dura demais para ser aceita. Porém, esquecem-se de detalhes. O brasileiro vive em uma nação sem punidade – chamada Brasil, onde burlar leis é como tomar água fresca. Colocando os pés em nações inversamente proporcional ao Brasil sentem-se ameaçados pela Autoridade Local, que tem o dever de puni-los, algo que não ocorre em seu país de origem. Temos que ter cuidado, pois o brasileiro é especialista no erro. As maiores provas disso são as próprias autoridades que conduzem aquela nação. Não sou evangélico, mas lembro de nações que se comportaram como… Read more »

Juliano Wagner
Visitante
Juliano Wagner

Se está ilegal, não tem choro. Mania de brasileiro de achar que tudo é injustiça. Lá a lei já é severa com os próprios americanos, imagina com latinos, e ainda mais do Brasil, e ainda mais.. ilegais. Brasileiro só quer mostrar o corpo e fazer bagunça, depois que pegou a “fama” fica mais difícil ainda pra brasileiros sérios.

Irlan
Visitante
Irlan

Tudo indica que essa atitude americana(a deportação crua de brasileiros) é para e de fato, a bem da disciplina. Não é de hoje que, infelizmente, os latinos não são desejados em nações desenvolvidas. Entretanto,parece que existe um porquê: a insistência em continuar no erro. Trazendo de seus países, deliberadamente empobrecidos moral e eticamente a cultura da corrupção e o se dar bem. Ao invés de aproveitarem a oportunidade de vida em um país que defraga morte ao erro, continuam na arte da malandragem.

Redação BNEU
Admin

Josy,

É uma situação complicada a qual talvez só um advogado especializado possa lhe ajudar, mas sinceramente acho difícil você conseguir voltar.

Josy
Visitante
Josy

Vivi 7 anos nos eua, tive dois filhos la, recentemente fui presa junto com meu marido e tivemos qu assinar a deportacao voluntaria, gostaria de saber como poderiamos recorrer para voltarmos aos eua, afinal nossos filhos e nos mesmos sentimos muita falta, ja se passaram 4 meses e nao conseguimos a nos acostumar. Quem puder me ajudar por favor, desde ja agradeco.