A professora Simone Henriques, brasileira e residente de San Diego desde 1996 montou um curso de alfabetização cujo objetivo é alfabetizar as crianças para que elas sejam capazes de  comunicar-se  na Língua Portuguesa, além de ler e escrever.

Na seguinte entrevista a professora Simone discute a experiência de alfabetizar sua filha em um segundo idioma: como superar os obstáculos, como incentivar e orientar a educação de nossos filhos:

Como foi a experiência de alfabetizar os seus filhos (as) em Português nos Estados Unidos?

Simone – A experiência que tenho tido na alfabetização da minha filha Melissa tem sido gratificante. Hoje já começo a ver fruto de todo o trabalho educativo que fiz com ela durante todo esse tempo. Desde pequena Melissa tem sido exposta à Língua Portuguesa. Em casa sempre procurei falar com ela em Português; apesar de também falar em Inglês devido a maioria das crianças em minha creche serem americanas. Muitas foram as ocasiões em que, me encontrei falando em Inglês com ela, então imediatamente procurava repetir a mesma frase em Português. Sempre que saíamos para passear de carro eu colocava CDs de música e estorinhas em Português. Melissa amava ouvir as estórias e eu tinha que repetir várias vezes, no final eu já não podia mais ouvir falar sobre Cinderela, Branca de Neve e Pinóquio. Porém, eu não posso deixar de exaltar a grande influência do pai, tias e tios que também sempre a incentivaram a praticar a Língua e também das grandes assistentes brasileiras que tiveram contato com ela através da minha creche.

Todo o processo de alfabetizar uma criança em uma segunda Língua exige um trabalho firme, necessário para que a criança possa entender e se mostrar interessada no aprendizado. Quando Melissa tinha seus três aninhos, ela já falava muitas palavras em Português e tinha um vocabulário bem avançado em Inglês. Porém, eu percebia que quando ela tentava falar em Português, freqüentemente misturava as palavras na construção das frases. Mas eu nunca me preocupei com essa mistura e nem pensei que fosse prejudicá-la em seu aprendizado, mesmo porque a nossa mente funciona como um arquivo e sua forma de expor seu conhecimento arquivado, ainda que entre as palavras da Língua Inglesa se fizessem coerentes naquela ocasião. Até que em um determinado momento ela por si só começou a perceber a diferença entre as mesmas e passou a usá-las adequadamente.

No meu caso, meu marido e eu somos brasileiros por isso sempre procurava traduzir as frases em ambas as Línguas. Porém, entre casais onde a presença bilíngüe em casa é mais freqüente, é aconselhável que apenas o nativo da Língua se comunique diretamente com a criança, como dizem os que estudam bilingüismo: une personne, une langue (uma pessoa, uma língua).

Quando/como vocês começaram o processo de alfabetização? Qual era o nível de desenvolvimento oral da Língua dos seus filhos (as)? Eles (as) já freqüentavam alguma escola americana? Como que a alfabetização em Português tem afetado o desenvolvimento da linguagem oral dos seus filhos (as)?

Simone – Comecei o processo de alfabetização justamente depois que Melissa completou 5 anos de idade. No mesmo ano em que ela seria alfabetizada em sua Língua materna. Percebi que Melissa estava pronta para ser alfabetizada em Português, quando, ao desenhar uma figura ela me perguntou como se escrevia ” De Melissa para Vovó Lulu.” Depois disso comecei a ensinar o alfabeto em Português e a usar as cartilhas que minha irmã, também professora, havia me dado anos atrás. Bastava meia hora durante a semana e, ela fazia um exercício, o que eu já me contentava. Eu não me importava com a quantidade e sim com a qualidade do aprendizado. E com o tempo, ela foi se mostrando mais interessada e quando me percebi ela já estava buscando os gibis da Magali, sua favorita, e por quanta própria. No início percebia que ela só olhava os gibis e lia apenas palavras soltas aqui e ali, depois com o tempo vieram as gargalhadas das frases lidas. Hoje em dia, lê por conta própria e sempre que não conhece uma palavra me procura para saber o significado. E agora, com o curso de alfabetização temos tido mais tempo para aprimorar sua escrita.

Como vocês acompanharam o processo de alfabetização em inglês deles(as) na escola? Vocês encontraram algum tipo de dificuldade? Qual foi o impacto da alfabetização em português na aprendizagem da leitura e escrita em inglês e vice versa?

Simone – Quando minha filha entrou para o Kindergarten, ela já escrevia e reconhecia todas as letras do alfabeto Inglês pois, diariamente eu ensinava na creche para ela e as outras crianças. Todavia, eu preferi não ensinar a leitura em Inglês para que ela pudesse aprender juntamente com seus amiguinhos e se manter motivada na sala de aula, como algo novo para aprender. E, outra razão mais importante foi, porque achei que ela se beneficiaria muito mais com uma professora americana cuja pronunciação perfeita da língua nativa lhe ensinaria o que todos nós estrangeiros tentamos melhorar, que é a nossa pronuncia, e apesar de viver há doze anos em San Diego, ainda tenho um sotaque carioca bem notável.

Sua alfabetização na língua materna ocorreu naturalmente e sem dificuldades; sempre acompanhando seus deveres de casa, incluindo seu tempo de leitura, para o qual sempre visitávamos a biblioteca para pegar emprestado livros novos e para mantê-la interessada pela leitura. Inclusive, o fato de ter exposto minha filha à língua Portuguesa, ajudou-a muito na aula de Espanhol, oferecida todos os dias na escola, na qual, ela recebeu muitos elogios da professora.

Muitos pais brasileiros ficam apreensivos quanto a alfabetização paralela de seus filhos.. Qual e a sua recomendação?

Simone – Todos nós queremos oferecer o que há de melhor para os nossos filhos e, é normal que muitos pais se sintam apreensivos quanto à educação. A falta de apreensão seria, no meu ponto de vista, não dar o valor adequado ao aprendizado e ao sucesso de seus filhos. Se seu filhos(as) falam Português, eles já estão um passo a frente para desenvolver a leitura e escrita. E mesmo que seu filho não consiga se comunicar em Português, não há motivos para desânimo. Toda criança aprende por imitação. Se pararmos para observar o comportamento de nossos filhos poderemos encontrar nossas ações e também nossa própria maneira de comunicação neles. Ensinar uma Língua estrangeira, ainda que materna para os pais, não é diferente. Se demonstramos o interesse no aprendizado da fala e escrita em qualquer idioma que seja, nossos filhos(as) também se mostrarão interessados, seja através da leitura de um livro, de uma música, de um filme assistido juntos ou de uma brincadeira, sempre temos a grande oportunidade de demonstrar a importância do conhecimento.

Entretanto, devemos levar em consideração que cada criança possui seu próprio tempo de desenvolvimento. E não podemos esquecer que influências internas e externas afetam o processo de aprendizado; como a separação recente dos pais, algo que pode causar grande impacto na vida da criança.

Minha recomendação para pais que queiram alfabetizar seus filhos(as) seria para não desistir durante todo esse processo. Ainda que seu filho(a) mostre resistência (por preferir não repetir ou falar em Português), para que continuem a falar e expor a ele(a) a cultura brasileira de um modo geral. Todo o ensinamento feito, ainda que pequeno, nunca será em vão.

Uma vez minha filha me perguntou por que eu sempre pedia para ela falar em Português quando eu também sabia falar Inglês. Minha explicação foi bem simples, pois sabendo que a maioria das crianças quer crescer rápido para poder ser “gente grande”, eu lhe disse: “Bom, mamãe te ensina falar Português por que eu sei que um dia quando você se tornar adulta e capaz de viajar de avião sozinha para o Brasil, vai se divertir muito mais, e não precisará de ajuda de ninguém, pois terá fluência completa .” Ela rapidamente se sentiu orgulhosa e começou a falar das coisas boas, principalmente os doces, como brigadeiro, que ela gostava de comer quando ia ao Brasil. A partir daí, eu já iniciei outra conversa onde eu contava os tipos de brincadeiras de quando eu era criança. E ela repetia e perguntava muito interessada. Os pais não devem esquecer que toda criança gosta de atenção e é neste momento que o aprendizado da Língua se torna mais efetivo.

Para mais informações sobre o Curso de Alfabetização Infantil em San Diego para a Comunidade Brasileira entre em contato com:

San Diego Language Academy
(858) 292-7373
alfabetizacao@hotmail.com
http://alfabetizacaosandiego.spaces.live.com/

Deixe um comentário

14 Comentários em "A Alfabetização em Português de Filhos de Brasileiros nos Estados Unidos"

avatar
Victor
Visitante

Minha mãe me fez passar pelo mesmo processo, falava inglês de berço mas ela, por recomendação dos meus professores, tentava me fazer falar em português. Por mais que eu entendia bem verbalmente eu falava pouco quase nada, por achar estranho e que me deixaria com um sotaque estrangeiro. Você, mãe, justificou o ensino de português à sua filha pq acha um dia ela iria viajar para o Brasil, mas é se ela não quiser contato com a cultura brasileira como eu não queria? E tiver que passar um processo complicado de aculturação depois? É algo pra se pensar.

Sheila
Visitante

Vou dar uma olhada. De qquer forma, obrigada

Sheila
Visitante
Em primeiro lugar, parabens pelo seu trabalho. Eu moro no Japao e encontrei esta pagina pesquisando sobre como ensinar minha filha a falar portugues. Estou aki ha 10 anos e tenho uma filha (por coincidencia) de 5 anos. Por achar q seria o melhor a fazer, nao ensinei portugues para ela, mas isso nao vem ao caso. A questao eh q estou tendo dificuldade em saber como ensinar. Meu marido tbm eh brasileiro e ela gosta de estudar, mas tenho tentado falar tdo em portugues em casa e, obvio, sempre tenho q passar para o japones depois. Me pergunto se… Read more »
Fernanda
Visitante

Olá Sheila, sou professora de português para crianças estrangeiras. Se quiseres posso te ajudar. ☺️
Pode entrar em contato comigo pelo email fernanda@familianoseua.com
Seria um prazer te ajudar ☺️

Marcio
Visitante

Entre na discussãoEstou há 22 anos no Japao,tenho um filho de 24 anos(veio com 2 anos pra ca)minha filha de 19 e meu filho de 13..Sempre falamos em português dentro de casa,nao existe motivo para falar em japonês com nossos filhos ,mesmo porque a escola os ensina,e ti digo e gratificante,eles são fluentes nos 2 idiomas,sendo os 2 mais velhos fluentes em inglês também..fale o portugues somente,no começo e difícil ,mas neste idade sua criança aprendera rápido..

denise
Visitante

Sou professora de portugues e ingles e preciso de ajuda . Moro na florida e gostaria de ensinar portugues para criancas, a comecar pelos meus netos. No Brazil nunca trabalhei com alfa betizacao e nao tenho nenhum material didatico . Por favor me mande algumas indicacoes. Desde ja agradeco .

MARISTELA
Visitante

EU SOU PROFESSORA DE PORTUGUÊS E INGLÊS E GOSTARIA DE ALGUMA S DICAS DESTE MÉTODO COMO ENSINAR POTUGUÊS PARA AMERICANOS.

Cristiane
Visitante

Ola Tania,
Obrigado pela indicacao da materia sobre o Wizard, iremos fazer contato.
Por favor envie-me o seu email para que possamos fazer contato.
Abracos,
Cristiane Henriques
alfabetizacao@hotmail.com

Tânia PaulaMachado
Visitante

Bom dia,
Parabéns por seu trabalho!!
Sou Fonoaudióloga e professora,gostaria de saber como posso ampliar meus conhecimentos para poder ensinar portugues a uns amigos americanos.
Quem sabe depois poder trabalhar nessa área.
Será que pode me ajudar, como faço para abrir esse caminho??
Um abraço,Tânia Paula

Andréia Henriques
Visitante

Simone e Cristiane

Parabéns pelo lindo trabalho em Alfabetização infantil em Língua Portuguesa !! Tenho aconpanhado o trabalho através do site e percebo a dedicação e o comprometimento com os quais vocês tem direcionado o aprendizado das crianças.
Parabéns !!!!!!!
Andréia Henriques

José B. Xavier
Visitante

Parabéns Simone e Cris !

Vocês realmente estão desenvolvendo um excelente trabalho.

Abs,
Xavier

catia
Visitante

Minha opiniao sobre um assunto bem cotidiano, diria: O desenvolvimento de uma crianca depende principalmente do seu dia a dia, os pais devem sim ajuda-los a ser um “bilingue” motivado e nao “forcado”, de acordo com o comportamento do mesmo.Acho que deve falar,”misturando” 80% portugues e 20% ingles(dentro de casa), questao aprender, pois fora isso, 99% ingles nos parques e vida com os amiguinhos. Lembrando que o carro chefe deles na escola sera o ingles. Opiniao: deixe eles viverem o cotidiano/cultura deles, principlamente se for “americana(o). A geracao, “parents” desenvolva dentro de casa,devagarinho…

wpDiscuz