Em sua coluna de estreia no jornal The New York Times, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu que os protestos ocorridos no Brasil recentemente indicam não uma recusa à política, mas um desejo de “ampliar o alcance da democracia”.

A análise de Lula começa apontando o papel das redes sociais na política, não apenas no Brasil. Segundo ele, os jovens, teclando rapidamente em seus smartphones, tomaram as ruas de todo o mundo”. Em seguida, Lula avalia que é mais fácil explicar por que os jovens vão às ruas em países não democráticos, como Egito e Tunísia, em 2011, ou em que o desemprego atinge altos níveis, como Espanha e Grécia.

O caso brasileiro, acredita Lula, teria outro sentido. Depois de vários sucessos, entre eles a mais baixa taxa de desemprego da história e expansão sem paralelos da economia e de direitos sociais, uma nova geração de estudantes teria tomado as ruas. Esses jovens, muitos deles filhos de famílias pobres, lutam para obter o que seus pais nunca tiveram.

Lula escreveu no NYT que estes jovens não viveram a repressão da ditadura militar nos anos 1960 e 1970. Não viveram a hiperinflação dos anos 1980, quando a primeira coisa que fazíamos ao receber o contracheque era correr ao supermercado e comprar o máximo de coisas, antes que os preços subissem, no dia seguinte. E pouco se recordam dos anos 1990, quando a estagnação e o desemprego deprimiam o país. Eles querem mais”.

Lula afirma que os jovens querem qualidade dos serviços públicos, mas não apenas: querem acesso a lazer e cultura, instituições mais transparentes e reformas na política e no sistema eleitoral.

O ex-presidente propõe ainda o uso da tecnologia para ampliar a interlocução entre as instituições e os cidadãos e reformas inclusive no seu partido, o PT.

O artigo de Lula lembra, de forma elogiosa, a proposta de Dilma de realizar um plebiscito sobre reforma política e a ideia da presidente de construir um compromisso nacional em torno de educação, saúde e transporte público.

O ex-presidente finaliza o artigo afirmando: “Quando falo com jovens lideranças no Brasil ou em qualquer lugar, gosto de dizer: Mesmo quando você está desapontado com tudo e com todos, não desista da política. Participe! Se você não encontrar nos outros o político que você procura, você pode encontrá-lo em você mesmo”.

Fonte: Beto Moraes

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar
wpDiscuz